POETA

POETA

sábado, 9 de janeiro de 2010

O DESPONTAR DA AURORA






Vislumbra-se ao longe a aurora,
A noite se despedindo,
Anunciando nessa hora,
Que o sol está quase surgindo.
Belo é o despontar da aurora,
Com o céu todo colorido,
Um espetáculo,essa hora,
Em que o céu se vê despido,
Da noite que foi embora,
Pra luz do sol com seu brilho,
Numa linda melodia,
Chegar anunciando o dia.
E os pássaros revoando,
Nessa aquarela de cor,
Saem em bandos gorjeando,
Saudando a Natureza,
Com tão natural beleza,
Louvando ao seu Criador.
Rosamaro.
Poema em homenagem à ilustre poetisa ROSAURO

4 comentários:

  1. Meu querido amigo.
    Belos versos para uma bela homenagem.

    Bom fim de semana.

    Beijinhos

    Sonhadora

    ResponderEliminar
  2. Regressei ao teu mundo para ler e sentir o encanto deste belo espaço...

    Já tinha saudades de ler os teus versos e as tuas belas e sempre sentidas palavras.

    Parabéns meu amigo

    Deixo uma onda suave...

    "Não sou nada
    Nunca serei nada.
    Não posso querer ser nada.
    À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo".
    Álvaro de Campos (Fernando Pessoa)

    Com amizade
    Um abraço
    Luis Ferreira

    ResponderEliminar
  3. "Mãe de um feto violado, afirma sua inocência e prova que a agulha de tricô indiciada como arma do crime não correspondia ao número da embalagem. Abortilda Semedo, afirmou que vai processar a fábrica de agulhas pelo incidente que está provocando todos os problemas vividos actualmente com a justiça e opinião pública. Numa primeira justificação, ainda a quente, logo após o parto, a alegada violadora, confessou que tudo aconteceu quando estava tricotando uma camisolinha de seda para o seu pequenino rottweiler de 2 aninhos, já que ela costumava trabalhar nuinha e com as pernas bem abertas, só que nessa vez, incompreensivelmente, uma das agulhas escapou para dentro da vagina. “Eu achei muito estranho, mas não liguei e se não fosse um cliente a queixar-se que tinha sido mordido..."
    O restinho? nã, nã... só no Se7e!

    ResponderEliminar
  4. Amigo Cambeta,

    Que belo poema. Tal como eu já vi que aprecia poesia.

    Um mar de poesia num Oriente tão longe e tão perto.

    Um abraço deste "cantinho",

    António Serra

    ResponderEliminar