POETA

POETA

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

TUFÃO



                                                                       TUFÃO





                                                               Sente-se a pressão
                                                          Veêm-se libelinhas a voar.
                                                   As águas do mar ficam mais quentes
                                                          e o calor é de sofucar
                                                           tudo isto é o perludio
                                                        de um tufão para chegar.




                                                         Os barcos ao porto regressam
                                                   e lá no alto nos mastros das fortalezas
                                                              o sinal 1 está içado
                                                          o tufão está para chegar


                                                    Nos mares do sul da China está
                                                            e ruma lentamente.
                                                         Pelas Filipinas já passou
                                                    mortes e inundações causou,
                                                       foram prejuízos sem par,
                                                        já tem nome é o Ruth
                                                          vai-se fortalecendo.
                                                  e, em direcção a Macau vem.




                                                 Aproxima-se, as árvores e as águas
                                                            disso dão já sinal
                                                            o sinal foi alterado
                                                   agora o número 3 está içado.
                                           as carreiras de navios são suspensas,
                                                       as escolas encerradas

                                        Avisos na rádio e televisão são transmitidos
                                                  para a população se percaver,
                                                      fechar bem as janelas,
                                                    desemtupir os canos,
                                              retirar os vasos das varandas,
                                        cuidados com as tabuletas de anúncios.
                                                        não saiam à rua
                                            e veriquem as antenas de televisão,
                                                e tudo o que possa à rua cair

                                     As águas do mar as muralhas vão galgando
                                          a velha ponte ao trafégo é fechada
                                                     já não à circulação

                                               Os autocarros já pararam
                                                   táxis ainda se vêm
                                       mas são poucos os que se aventuram
                                                  pelas ruas circular
                                            serviços públicos encerram
                                                chuva torrencial já cai



                                                  As ruas ficam desertas
                                                   o sinal 8 foi içado
                                   os ventos sopram cada vez mais fortes
                                        com rajadas de 100 kms/hora
                                          policias de prevensão ficam
                                                 a defesa é acionada



                                           O vento esse sopra cada vez mais forte
                                           grandes e velhas árvores não resistem
                                                         e por terra caem,
                                                   barracas sem tecto ficam
                                          e no ar suas folhas de zinco esvoaçam
                                              postes de electricidade e seus fios
                                                       ao chão vem parar
                                                      casas sao inundadas
                                                        é o tufão a passar

                                          No mar ondas altaneiras se formam
                                                   e barcos ao fundo vão
                                                 a tempestade tudo arrasta
                                                     são tabuletas que caem,
                                           andaimes de bambu ao chão são lançados
                                             e o vento esse cada vez aumenta mais
                                       a escuridão e as intensas chuvas são por demais.



                                                               

                                                               O sinal 10 é içado
                                            o centro do tufão esta passando por Macau,
                                                      estradas são cortadas
                                                inundações nem se contam tantas são elas
                                                                e por todo o lado,
                                                        vidros das janelas estilhaçam

                                                                   É o tufão a passar
                                                                   tudo fica tombado,
                                                                   tudo fica inundado
                                                             e o vento forte parece uivar
                                                    e leva ainda algum tempo para se afastar
                                                                    até o continente atingir
                                                      depois de lá chegar seu rasto ainda afecta
                                                                 e seus ventos se fazem sentir

                                                       Mas em sua rota a força vai perdendo
                                                            e as chuvas parecem acalmar
                                                                 o vento deixou de rugir
                                                              e o sinal 10 é substituido pelo 3
                                                            é hora de contabilizar os prejuízos
                                                                   os estragos causados,
                                                                  de remover as árvores,
                                                                        retirar os lixos
                                                                      a defesa civil actua
                                                                      é uma tarefa titânica
                                                                  para tudo ao normal voltar

                                                                A população sai a rua
                                                                    e logo se apercebe
                                                                 da desgraça que ocorreu,
                                                                 foram muitos os prejuízos
                                                                algumas pessoas morreram

                                                                   É a época das monções
                                                                  que anualmente os tufões
                                                            Macau vêm asolar, que tudo arrastam,
                                                                    que tudo levam consigo,
                                                                        por tudo eu passei
                                                                   quer em terra quer no mar,
                                                                  trazem sempre grande perigo
                                                                       são os tufões a passar.





domingo, 19 de setembro de 2010

SARDINHADA NA TAILÂNDIA

POEMA à sardinha


Algo irei contar ,

É mais uma das histórias minhas

Não é caso singular,

Visto o assunto ser sardinhas

AQUI ESTAMOS REUNIDOS
NESTA SALA EM CONFRATERNIIZAÇÃO
SOMOS PORTUGUESES E AMIGOS
COM AMIZADE E CONSIDERAÇÃO

NO MAR MEDITERRÂNICO FORAM PESCADAS
EM PORTUGAL CONGELADAS E EMBALADAS
EM MACAU FORAM COMPRADAS
E NA TAILÂNDIA ASSADAS E PAPADAS

MUITAS VOLTAS ELAS DERAM
ATÉ PELAS BRASAS PASSAREM
FELIZES OS QUE AS COMERAM
E AS SAUDADES MATAREM

AO NOSSO AMIGO MANUEL, CONFRADE
SÓ TENHO QUE AGRADECER
ESSE MARAVILHOSO COMPRADE
QUE EM SEU NINHO, BEM NOS SOUBE RECEBEER

AS VOLTAS QUE AS SARDINHAS DERAM
PARA NOS PUDERMOS SACIAR
OS CONFRADES SE SATISFAZERAM
A AO AMIGO MANUEL, OBRIGADO POR AS ASSAR

ANTÓNIO CAMBETA


sexta-feira, 13 de agosto de 2010

DILIGÊNCIA


Diligente é todo aquele que ama


Que possue presteza e objectividade,


É uma virtude ética e humana


Vivida com alegria e caridade



Ser diligente é ter prontidão,


É ser-se delicado e carinhoso


Realizando seus desejos com decisão


É um ser belo e amoroso



Do latim a Diligência provêm


Significando, aquele que ama,


Que muita fé no seu coração têm


Alegre, viva como uma chama


quinta-feira, 22 de julho de 2010

A MINHA SAUDOSA MÃE

Querida Mãe, recordo com tristeza e nostalgia
a tua figura na janela, despedindo-se de mim,
senti nesse gesto de adeus a tua agonia,
Tu que foste sempre um maravilhoso querubim
Na mente e no coração guardei essa imagem,
jamais te voltei a ver,
para longe parti em viagem,
meses depois vinhas a falecer.
Dez anos são, hoje, volvidos,
mas quem se ama jamais esquece
dos nossos ente queridos,
e, em nossos corações permanece.
Que Tua santa alma, em descanso esteja,
junto dos familiares que a ti se juntaram,
que Deus sempre vos proteja,
já que cá que em vida muito penaram



sábado, 17 de julho de 2010

MOSTEIRO EM CHIANG RAI


O MEU CARINHO




Quando se sentir triste sorria.
Pois sabe que não está sózinho,
Têm os amigos por companhia..
Pois mesmo longe não esquecem.
Quem lhes traz sempre alegria.


Delmira Figo - Redondo - Portugal

sexta-feira, 16 de julho de 2010

VAIDADE



A vaidade é uma componente psicológica de todo o ser humano, é um sentimento de ligação entre o corpo e a mente.


A vaidade não é mais de um desejo de provocação, em atrair a admiração das outras pessoas. Estas pessoas, vaidosas, revelam, com extravagância, seus pontos positivos, ocultando os negativos.


As mulheres por natureza são vaidosas, muitas delas no bom sentido, gostam de chamar à atenção, umas pelas suas linhas corporais esteticamente perfeitas, outras pela sua inteligência e capacidade de lidar com as pessoas e com as coisas de uma forma super positiva, porém outras e outros (homens) são vaidosos pela negativa, pela ostentação de riqueza, no sentido de humilhar as outras pessoas de menos posses financeiras.


Porém a vaidade quando tem um sentimento de ganância ela se torna uma doença de caráter, e neste caso um sentimento negativo, desejando só para si tudo o bem estar e o melhor existe em seu redor e não só.


A vaidade pode ser um forte motivo de orgulho, de auto-estima pelos trabalhos realizados com sucesso e que se torna uma forma de motivação para dar continuidade a esses trabalhos.


Mas como tudo existem sempre duas faces da moeda, e a vaidade, quando egoísta, e este mal se está propagando cada vez mais na nossa sociedade, nos dias de hoje, e fato de discórdia de guerras, onde se esquecem os valores morais para darem lugar ao lucro fácil.


Na maioria dos casos a vaidade serve para causar inveja nas outras pessoas sem outro fim em mente.


Como muito bem diz o povo em seus provérbios “ A VAIDADE É O ALIMENTO DOS TOLOS” “ A VAIDADE É IRMÃ DA BELEZA E A LUXURIA É SUA FILHA”.


Bangkok, 22 de Janeiro de 2552 (2009)


António Manuel Fontes cambeta


BLOGTOK CICLOS DE POESIA 7 PECADOS VAIDADE ANTÔNIO CAMBETA


VAIDADE I



A vaidade é irmã da luxuria e da beleza
Que os seres humanos, tais pavões
Revelam orgulho, mas sem gentileza
Por não serem humildes seus corações

Vivemos num mundo de vaidade
E onde e por qualquer razão
Nela se incorpora a maldade
Faltando senso e compaixão

A vaidade é geradora de males,
Mas igualmente o princípio do bem
Tal montanha com seus vales
Que méritos têm também


Bangkok, 22 de Janeiro de 2552

António Manuel Fontes Cambeta


Citação de Florbela Spanca



Vaidade
Sonho que sou a Poetisa eleita, (Aquela que diz tudo e tudo sabe, (Que tem a inspiração pura e perfeita, (Que reúne num verso a imensidade! ((Sonho que um verso meu tem claridade (Para encher todo o mundo! E que deleita (Mesmo aqueles que morrem de saudade! (Mesmo os de alma profunda e insatisfeita! ((Sonho que sou Alguém cá neste mundo ... (Aquela de saber vasto e profundo, (Aos pés de quem a Terra anda curvada! ((E quando mais no céu eu vou sonhando, (E quando mais no alto ando voando, (Acordo do meu sonho ... E não sou nada! ... ((Florbela Espanca, in "Livro de Mágoas"

BLOGTOK CICLOS DE POESIA 7 PECADOS VAIDADE ANTÔNIO CAMBETA

sexta-feira, 25 de junho de 2010

quarta-feira, 28 de abril de 2010

DO AMOR

                   O articulista, sua prima Cremilda Cambeta, poetisa, e a esposa do articulista.


                                                                  Amor!
                                                         Impossível defini-lo...
                                                       É tão vasto e profundo.
                                                         É tão belo e radioso...
                                                               Amor!
                                                        É Deus em acção.
                                                    Sem principio e sem fim.
                                                     Porque Deus é amor...
                                                        É eterno e forte.
                                                      Impossível limita-lo.
                                                            Amor!
                                                       Sabor da vida
                                                   vivida em plenitude.
                                               Validando todas as virtudes.
                                                    - Aperfeiçoando-as.
                                                Impossível conhecê-lo.
                                                    Não fora Cristo
                                                        revelá-lo
                                                        na cruz.

Poema de Cremilda Cambeta.

quinta-feira, 22 de abril de 2010

SONHO DE CRIANÇA


                                          Quando criança, eu tinha um sonho recorrente:
                                                 Uma bola grande, não maior do que eu,
                                             Escura, com aspecto de compacta e pesada,
                                              Rolava, declive abaixo, em minha direção!

                                                               Estou vendo a cena!...
                                                  Eu não gostava de sonhar com ela,
                                             Mas não se tem controle sobre os sonhos...
                                         Ameaçadora, ela massacrava a paz do meu sono.

                                          Tinha cor de chumbo, de asfalto novo, de pneu,
                                                 Mas nunca me lembrou um pneu,
                                          A não ser agora, quando associo as cores...
                                                        Há coisas que tememos

                                                           E jamais acontecem!...
                                                         A bola não me alcançou!
                                                    Deus não deixa, Nunca deixou!

Euna de Oliveira

domingo, 21 de março de 2010


Este Tony Cambeta meu padrinho
Que não pára de me surpreender
Não consigo faze-lo parar
Já não sei o que fazer

Tenho pena de não poder
Fazer o mesmo e surpreender
Como faz o meu padrinho
Mas estou nesta situação
E sem outra solução
Só lhe posso dar carinho

Esse sentimento lhe darei
Sempre sem hesitar
Estarei sempre presente
E com carinho para lhe dar

Homem de letras e poesia
E de muita sabedoria
Com um grande coração
Vive a fazer o bem
E dar a quem não tem
Lá em terras de Sião


Arménio Cruz
Março de 2008

domingo, 14 de março de 2010

EMBARQUE DE FEZES


Num quente e humido dia de verão
cumprindo a minha missão,
a zona norte da cidade fui ron
e, então vi a navegar
imensas embarcações
que iam e vinha atracando a ponteões,
logo se formou no pensamento
o que se passava no momento.

Pensando que contrabando se estava a tratar
e, patrulha não vendo o fui procurar,
o encontrei, estava ele sentado
e muito bem instalado,
nem por mim dando ao chegar
mas ao em mim reparar
encavacado ficou
e prontamento continência efecto-ou

Pela sua postura o chamei a atenção
e quis saber logo a razão
o porquê daquela embarcação ali atracou
e que carga ela embarcou
Sem a licença mostrar
por isso estava a indagar
e o guarda prontamente respondeu
que tinha sido merda que a embarcação meteu.

Embaraçado com a resposta fiquei
e logo dali me ausentei
ficando no ar um fedor a pairar
e admirado pela forma de um macaense falar
fezes ou adubo orgânico não o sabia dizer
para me poder melhor explicar
e que pobres agricultores da China ali estavam a embarcar.

sábado, 13 de março de 2010

JORNAL MANOBRA

Mais uma vez, novo comadante a Macau chegou
e muitas coisas veio mudar
muita coisa ele alterou
pela sua forma de ser e de pensar.

De Portugal ele vinha
depois da revolução
outra mentalidade aberta ele tinha
e muita compreensão

Dizia ele em sua filosofia
ter que a corporação conhecer
era a ele que competia
desse modo proceder

Conselheiros da revolução
em Macau se encontravam
com novos ensimentos e muita confusão
de um digno oficial não gostavam

O governador precionado
pelos conselheiro da revolução
a esse distinto soldado
o teve que mandar para a prisão

O capitão do porto não gostou
desse modo do governador proceder
e então se rebeliou
e a essa ordem não quis obedecer

Debaixo dessa tensão
a anarquia reinava
o oficial na prisão
e a Marinha sem comando esta

Foi então a Marinha vigiada
vinte e quatro horas por dia
pela Psp e uma especial brigada
e do quartel ninguem saía

O governador com receio
aos agentes da Marinha foi falar
e fora do seu meio
lá se teve que explicar

Sanada a situação
capitão do porto e o distindo oficial
lá sairam da prisão
embarcando para Portugal

Foi então que se criou
na nossa corporação policial
um ilustrado jornal
fazendo ecos da situação.

Manobra foi assim chamado
e nele eu participei
tudo lá era narrado
muita verdade eu lá contei

Alguns anos ainda sobreviveu
até era recomendado
mas um dia então morreu
por ser bem censurado

Censura em Macau ainda havia
a liberdade não tinha chegado
não se podia dizer o que sentia
e tudo ficou acabado

Mas coisas então mudaram
por fim a liberdade chegou
e por ela ansiaram
por fim o comando mudou

O jornal esse nunca mais apareceu
e os folhetos publicados
foram para ao museu
lá ficando bem guardados.






LIÇÕES DE SAMPANA


Depois de um dia embarcado
saindo de lá bem estafado,
na doca tinha que me apresentar
para lições de sampana praticar

Duas horas de instrução
era essa a duração,
que dava para enjoar
mesmo sem o pequeno almoço tomar.

Era esse o sacrificio
sendo esse o meu ofício
nada tinha a lamentar
senão remadas de sampanas praticar.

Frustado, isso sim ficava,
pois o outro não remava
e grande peso ali fazia
e eu remando lá ia.

Bolhas nas mãos criando
minhas forças desgastando,
com o outro não podia
que nada fazia e só se ria.

Mas como lá diz o ditado
quem por último ri, ri melhorado,
e preguiçoso como ele era
para não ficar à espera.

À muralha abiquei
e para terra saltei,
o meu colega hesitou
e nas sujas águas mergulhou.

Ficando de pernas para o ar
no lodo sua cabeça foi enterrar
então eu fiquei a rir
mas com receio dali sair.

Lá tive que o ajudar
e com um croque o puxar
saindo com lodo escorrendo
e uma lição aprendendo.






                      Foi, nesta doca de D.Carlos I, que os factos narrados se passaram.