POETA

POETA

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

RUA DA MINHA INFÂNCIA




Rua da minha infância
jamais a poderei esquecer,
nela brinquei aquando criança
me acolheu e me viu crescer

No Farrobo se situa
em pleno coração da cidade,
Mendo Estevens é essa a rua
que recordo com carinho e saudade

Na casa número 52 eu morava
era casa de sapateiro,
defronte outro ficava
mas meu pai o pioneiro

À esquerda tinha a taberna
à direita lugar de hortaliças ficava,
o Torcato sem uma perna
jogos do Sporting relatava

O Doutor Rosado da Fonseca
nosso médico familiar,
era como se fosse um Cambeta
que nossos males vinha curar

Recordo com noltagia
o Patrício e sua taca bem afamada
velho Almeida e sua mercearia
Dona Adelaide e o pão de sua fornada


Era rua bem concorrida
e com a de Machede rivalizava,
era bela cheia de vida
meu ninho minha morada

Tudo hoje nela mudou
perdeu sua vivacidade,
moradores Deus muitos a si chamou
amigos da mocidade

Só a calçada ficou
cheia de orgulho e de vaidade
e para quem nela viveu e muito amou
a recorda com eterna saudade

Poucos são já seus antigos moradores,
chineseses nela se instalaram
e esses novos mercadores
seu ambiente também mudaram

Muita gente nova lá vi
estudantes esses então
muitos pacientes tem o CDI
que ganha um dinheirão

Agora com restaurante chinês
a rua parece ter mais vigor
está revivendo outra vez
conservando o seu esplendor

É a ti que tanto adoro
Tu, que me viste nascer
jamais te ignoro
sempre em mim irás permanecer.

Sem comentários:

Enviar um comentário